POESIA DE ALEXANDRE FERREIRA

Aluguei esta casinha pequenina sem telhado e sem paredes... toda ela uma janela aberta ao mundo. Cada visitante que aqui vem, ao sair não se esqueça de levar o meu muito obigado, o meu abraço o meu beijo ......O meu C A R I N H O

quarta-feira, janeiro 16, 2008

FINDOU TEU AMOR




DOBREI A CURVA NO MOMENTO CERTO
AINDA ME VISTE A SOMBRA
FUGÁSMENTE CORRI EM BUSCA DO NADA
MAS DESAPARECI, NÃO DEIXEI RASTO
ABSORVIDO PELA SOMBRA DA NOITE
VIAJEI NO TEMPO E NO ESPAÇO
NADA MAIS RESTA DE UM SONHO SOFRIDO
A NÃO SER AS PEGADAS NA AREIA MOLHADA
ONDE CAMINHAMOS PELA MANHÃ DE MÃOS DADAS
NINGUEM ME FAZIA PREVER QUE ERA O FIM
NÃO O DESEJEI, ADIVINHEI, SENTI-TE LONGE
NÃO DISSE MAS PENSEI, ESPEREI POR TI
MESMO SABENDO-TE UMA MENTE AGRESTE
HOJE CAMINHO NAS PEGADAS DEIXADAS POR TI
A CADA PASSO RELEMBRO AS PALAVRAS TUAS
FALAVAS-ME DE AMOR, DE TI, NÓS? TALVEZ!

AUTOR: ALEXANDRE FERREIRA

0 Comments:

Enviar um comentário

SE TE AGRADA ALGUM POEMA MEU, ENTÃO DEIXA UM COMENTARIO TEU...

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home

CITADO POR ISABEL