POESIA DE ALEXANDRE FERREIRA

Aluguei esta casinha pequenina sem telhado e sem paredes... toda ela uma janela aberta ao mundo. Cada visitante que aqui vem, ao sair não se esqueça de levar o meu muito obigado, o meu abraço o meu beijo ......O meu C A R I N H O

sábado, abril 01, 2006




Diz... pai!
Engrossa-me essa voz, sê homem...
Acordas na tua revolta gritante
Não rejeitas o vestido de tua mãe!
Não quero!
Quase ouço o grito da voz dentro de ti.
Não existes, não dormes nem acordas...
Esta voz fina é linda! porquê mudar? Perguntas tu...
Para que me obrigas a fazer o que não sou?
Porque habitas em mim? Escondo de quem?
Não gosto! Odeio-te mundo estúpido...
Emanas desgraças! És controverso...
Inclui-te nelas e sofre seu estupor.
Crias, mas não tens dó!
Liberta-te desse corpo maldito
Liberta-te, mente perversa!
Pensas mulher e tens (tomates)

Autor: Alexandre Ferreira

2 Comments:

Blogger Telma* said...

infelizmente este tipo de conversa não acontece só entre pai e filho transsexual..

segunda abr 03, 10:12:00 da tarde WEST  
Blogger saisminerais said...

Amiga tens razão, infelizmente não é só entre pai e filho. A sociedade ainda está verde em relação a...
obrigado pela tua doce presença. deixo-te aqui um beijo

terça abr 04, 03:03:00 da manhã WEST  

Enviar um comentário

SE TE AGRADA ALGUM POEMA MEU, ENTÃO DEIXA UM COMENTARIO TEU...

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home

CITADO POR ISABEL