POESIA DE ALEXANDRE FERREIRA

Aluguei esta casinha pequenina sem telhado e sem paredes... toda ela uma janela aberta ao mundo. Cada visitante que aqui vem, ao sair não se esqueça de levar o meu muito obigado, o meu abraço o meu beijo ......O meu C A R I N H O

sexta-feira, dezembro 28, 2012

Fui atropelado pelo que não existe
Disse o polícia quando me fui queixar
Ainda ia preso, disse o sargento
Se insistir em os querer enganar
Saí coxo e de braço partido
O olho negro, não podia usar
Um hospital! - Tinha servido
Não fosse o taxista, se recusar
Mas que merda de pais é este?
Onde todos acham, saber melhor!
Pu…. -Que-os-pariu, Peço desculpa
Mas não é deles: - a minha dor…
Assim fo…do É que não vou para casa
ALGUÉM ME AJUDE; - pus-me a gritar
Alguém me ouviu, e logo deitou a mão
Mas não ajudou, por querer ajudar
Esticou a mão, que segurava a arma
Pôs-me em sentido para me roubar.
Cara……., que porra de gente é esta?
Até a dignidade já começa a falhar
Leva-me carteira e ouro seu ladrão
Que eu já nem te posso entregar
A justiça Do país! – Ela anda a falhar.
A.F

0 Comments:

Enviar um comentário

SE TE AGRADA ALGUM POEMA MEU, ENTÃO DEIXA UM COMENTARIO TEU...

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home

CITADO POR ISABEL